Birra de criança: veja como lidar com esse comportamento, com a Psicóloga Maria Luiza Carvalho

A tão sonhada maternidade chegou. Junto com ela, diversas situações desgastantes também vieram… Em algumas famílias, contrariar a vontade dos pequenos é o suficiente para que o “show” comece. Choros, esperneios e um drama que parece não ter fim. Nasce então a dificuldade dos pais em lidarem com a famosa birra de criança, um comportamento extremamente corriqueiro.

Birra de criança: veja como lidar com esse comportamento, com a Psicóloga Maria Luiza Carvalho | Comportamento | Boa Vida Online

Birra de criança: veja como lidar com esse comportamento

Na entrevista a seguir, a Psicóloga, Coach, Professora Universitária e poeta, Maria Luiza Carvalho, que trabalha com atendimento familiar há mais de 33 anos, fala sobre o assunto e dá dicas de como os pais devem agir diante da famosa birra de criança. Confira:

Birra de criança: veja como lidar com esse comportamento, com a Psicóloga Maria Luiza Carvalho | Comportamento | Boa Vida Online

 Maria Luíza Carvalho CRP 09/002108 – Psicóloga, Professional e Self Coach. 

Aurélia Guilherme – A birra se caracteriza como uma atitude consequente dos próprios pais, ou pode se relacionar com a personalidade da criança?

Maria Luiza – A birra é uma manifestação de emoções da criança. Segundo um estudioso do assunto, Henry Wallom, é de fundamental importância que a criança adquira o domínio de suas emoções e de experiências sensíveis. A mãe e o pai devem falar a mesma linguagem que o filho. O que é direito, o que é privilegio e quais são as consequências de cada escolha. Sabemos que algumas características de personalidades e determinados transtornos de desenvolvimento, como o T.D.A.H, por exemplo, podem contribuir para uma agitação interna da criança. Porém, o padrão de conduta da família deve permanecer o mesmo. O limite vem com afeto.

Aurélia Guilherme – Por qual motivo se dão esses acessos de raiva excessiva?

Maria Luiza – A criança precisa ser atendida em suas necessidades emocionais. Torna-se necessário que a família esteja “presente por inteira”. Hoje, sabemos que com os celulares, jogos eletrônicos, TV e afins, a família está cada vez mais distante nos diálogos e nas brincadeiras do mundo infantil. Constatamos que até as refeições, dificilmente são realizadas em volta da mesa, com todos juntos. É cada um no seu quarto, ou ainda, na frente da TV.

Aurélia Guilherme A birra pode estar associada à dificuldade de comunicação?

Maria Luiza – Sim, a birra de criança pode estar associada à falta de diálogo. Se existem muitos acessos de raiva, isso significa que a comunicação está em desarmonia. Mas, precisamos entender que limite não é punição, nem castigo. Limite equivale a afeto, conscientização e liberdade.

Depois de ler essa entrevista, faça uma visita ao perfil da Psicóloga Maria Luiza Carvalho 

Aurélia Guilherme – Antes de completarem um ano de idade, as crianças parecem já ter experiência em birra. Como essa construção funciona dentro da mente dos pequenos?

Maria Luiza – A birra manifestada por uma criança de dois anos é diferente daquela apresentada por uma criança mais velha. É como se houvesse um teste, no qual a criança vai descobrindo a postura da família. O autocontrole, o tom de voz e a firmeza são fundamentais nestes momentos. Segundo Vygostsky, um estudioso da aprendizagem, desde o nascimento, a criança já possui potencial suficiente para o aprendizado e o desenvolvimento. Através de interações com o meio, que auxiliam no seu crescimento emocional. No entanto, regras e limites precisam ser introduzidos. A família deve dedicar tempo para brincar com as crianças. Através das brincadeiras, elas aprendam a lidar com as emoções, de uma maneira saudável.


”A família é um modelo e as crianças acreditam muito mais no que as pessoas fazem, do que no que elas falam, por isso, não há êxito algum bater na criança. Para ser eficiente nesse sentido, apenas seja firme, tenha regras claras – com frases curtas e objetivas – e use um tom de voz afetivo. Sempre mantendo contato visual, olho no olho, com a criança.”Birra de criança: veja como lidar com esse comportamento, com a Psicóloga Maria Luiza Carvalho | Comportamento | Boa Vida Online


Aurélia Guilherme – A criança tem consciência de que está fazendo birra e que, consequentemente, vai conseguir o que quer, vencendo o outro pelo cansaço?

Maria Luiza – A criança precisa de uma família que haja de maneira constante, determinada e perseverante. Caso contrário, os papéis se invertem e a criança passa a assumir o controle da situação.

Leia também: Suicídio entre os jovens, com a psicóloga Maria Luíza Carvalho

Aurélia Guilherme O que é preciso para que os pais também não saiam do controle?

Maria Luiza – Basta adquirir um tempo saudável e de qualidade com filhos e, quando a birra acontecer, tentar lidar com a situação, da forma mais tranquila possível. Além disso, ter a consciência de que a própria birra se enquadra dentro de um processo natural, que antecede uma maturidade emocional da criança também é importante. Enfrentar frustrações são requisitos para o crescimento e a construção de uma personalidade saudável.

Aurélia Guilherme – Qual a maneira mais sensata de lidar com a birra de uma criança?

Maria Luiza – A família precisa se concentrar no estado emocional e não em suas exigências pessoais, tentando sempre acalmar a criança, sem ceder ao seu pedido. A fase da birra é passageira . De acordo com o desenvolvimento dos pequenos, tudo se ajusta e fica no seu devido lugar.

#boavidaonline #aureliaguilherme #psicologamarialuizacarvalho #birradecrianca #comolidarcomabirra

Clique aqui e veja a interpretação do significados das birras de crianças que a psicóloga Raquel Magalhães nos enviou 

Comentários