Enquanto o Carnaval chega…

Dr. Márcio Pimentel, especialista em redução de impostos e reorganização empresarial, em visita ao Pólo Empresarial Goiás, em Aparecida de Goiânia.

Dr. Márcio Pimentel, especialista em redução de impostos e reorganização empresarial, em visita ao Pólo Empresarial Goiás, em Aparecida de Goiânia.

“A política atual do Governo Federal em aumentar tributos, com a intenção de arrecadar mais receita, é um caminho que vai levar o Brasil ao Abismo. Haverá mais desemprego, mais recuo na produção das indústrias e, por consequência, menor consumo, pois as Lojas do Comércio Varejista, além de não terem para quem vender, também não terão motivos para repor os estoques. E, pela matemática, que não nos deixa mentir, por lógica, haverá menor arrecadação de impostos. Esse é o preço de isolar-se da política externa com o Bloco Europeu, os EUA, o Canadá e a Austrália e aliar-se a países com problemas iguais ou piores do que o nosso.

Se desejamos ser bem sucedidos, na esfera pessoal e material, devemos ter parceiros que nos levam a algum lugar. Mas, na cultura do Carnaval, pensa-se pequeno e alia-se somente aos semelhantes. Pois afinal, Democracia no Brasil só mesmo nas praias e no Carnaval. Porém, cuidado! Temos os arrastões!

Enquanto o Carnaval chegaNeste momento, ou melhor, depois do Carnaval, o Brasil, em Conjunto com o Ministério Público Federal, deveria:

  • Enxugar a “máquina” do Estado e suas três esferas (União, Estados e Municípios). Fazer de fato uma verdadeira reengenharia administrativa e imediata, respeitando a Constituição e demais leis infraconstitucionais;
  • Investir e criar frentes de obras de infraestrutura pelo Brasil (tecnologia, energia solar e eólica, ferrovias, interligação de todo país, com os sistemas de comunicação, sempre de forma clara e objetiva, respeitando de fato a Lei 8666/93, porém de forma rápida, transparente, com a gestão direta do Ministério Público Federal). Este fato por si só geraria muitos empregos e iria melhorar o desempenho econômico;
  • Reduzir a carga tributária para os setores das Indústrias, Serviços e Varejo, os quais são os setores mais afetados em 2016;
  • Criar o sistema de parcelamento de Tributos, com juros e multas menores, em um prazo menor, suspendendo várias execuções fiscais em andamento, o que tornaria o empresário mais confiante no mercado para voltar a investir;
  • Voltar urgente a fazer políticas externas de facilitação de comércio com os EUA, o Canada, o Bloco da União Europeia e a Austrália, visando propiciar maior exportação, uma vez que, o dólar em um patamar elevado torna os produtos Brasileiros mais atraentes;
  • Fomentar incentivos Fiscais para o Agricultor, para que esse setor volte a crescer, tanto no mercado interno, quanto no mercado externo;
  • Concentrar as verbas oriundas da arrecadação para revolução administrativa, desburocratização do ente público, com a supervisão do Ministério Público Federal;
  • Promover investimentos em educação, reformulando os estudos, de forma a fazer com que os alunos aprendam a pensar e não a repetir conteúdo. Os livros já fazem isso por nós, a população brasileira precisa aprender a pensar, por si mesma;
  • E, por fim, mas neste momento, com prioridade, criar uma célula governamental, com apoio civil, coordenado pelo Ministério Publico Federal, para reformular hospitais, com um sistema de gestão do dinheiro público voltado à saúde em uma frente emergencial, com apoio das forças armadas para um atendimento imediato. Com a crise, mais de 80% da população necessita urgente de hospitais e de atendimento rápido. O Brasil possui médicos, mas não tem estrutura e, muito menos, equipamentos adequados.

De fato em toda a minha vida nunca presenciei tamanha crise. Porém, ao mesmo tempo, nunca vi tamanha inércia de um povo e nem tão pouco, das organizações civis organizadas. Em um país sério, qualquer tremor seria motivo para grande discussão, mas o Brasil tem o Carnaval! Quanto tempo mais teremos que descer no abismo para voltarmos à tona?

Pensem, usem suas mentes, a capacidade de pensar é libertadora e evita a escravidão, o comodismo e a derrota. Que tenhamos sabedoria para gerar um novo país. Sou um amante da cultura de nosso povo, mas não estou feliz com o Brasil e também não quero morar em outro país!”

Dr. Márcio Pimentel – Advocacia Empresarial Tributária

#boavida #boavidaonline #aureliaguilherme #saudedobolso #advogadotributaristamarciopimentel

Comentários