Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira

Vez ou outra, tirar o pé do acelerador e partir rumo a cenários desconhecidos, apenas com a responsabilidade de se vislumbrar, namorar e curtir bons momentos! A gente merece. Mas poucos podem, esta é a verdade! Veja o caso da fotógrafa Lorena Ferreira. Essa garota vive viajando com sua câmera, em busca de cenários paradisíacos. Que maravilha! Ela sempre faz lindas fotos, por onde passa. E, diga-se de passagem são lugares incríveis. Vamos cruzar  o Brasil rumo ao paraíso, ou melhor, rumo a Fernando de Noronha.

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira Lorena Ferreira | Viagem | Boa Vida Online

Fernando de Noronha – Um pedacinho único de Brasil, diferente, de qualquer outro lugar, que permite um estado único de comunhão com terra, céu, água e ar

Fernando de Noronha

Quando estive em Fernando de Noronha, tudo me pareceu ser mais forte, mais intenso, mais bonito! A energia que paira no ar é única. As infinitas cores de cada canto do arquipélago mais são uma tela aquarelada, que nunca tem fim. Enfim, Noronha é Noronha.

Aurélia Guilherme Qual a sua opinião Lorena?

Lorena Ferreira – Sim, a ilha é linda! O sol reluzente, o vento fresco no rosto e as belíssimas praias a perder de vista… Água com tons que vão de verde esmeralda à azul royal, água morna e paisagens incríveis. Porém, já na chegada, ninguém escapa, a não ser moradores ou funcionários, da famosa burocracia. Filas enormes deixam pessoas inquietas à preencher questionários obrigatórios para saber de tudo. Migração Diária, local de hospedagem, e data de permanência na Ilha… É claro que, depois disso tudo, há de se pagar a Taxa de Preservação Ambiental(TPA), que é de 65 reais por pessoa por dia.

Não só eu, mas a maioria que estava ao meu lado concorda que, pelo valor cobrado e pelo tumulto geral, o atendimento deveria ser mais eficiente e rápido! Deixa muito a desejar….é lento e chato. Essa taxa cobrada é destinada à Administração da Ilha ( Governo de Pernambuco). Ela serve para a coleta do lixo,  gerado pelos turistas da ilha, funcionários e próprios moradores. Serve também para dar suporte de infraestrutura, conservação e preservação da ilha.

Aurélia Guilherme – Muito justo, não é não?

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira

Fernando de Noronha: Captura intencional de tartaruga no Porto de Santo Antônio, do projeto TAMAR

Lorena Ferreira –  Claro! O lixo orgânico é recolhido e tem um lugar específico na ilha para a compostagem desse material. Imagine que ele se torna um ótimo adubo. Os benefícios vão para as pequenas hortas orgânicas de pousadas, restaurantes e casas de moradores. Os recicláveis são separados e voltam para Recife, sendo este, o destino final.

Mas, tem custo e não é barato. A burocracia e os gastos não param por aí. Para ter livre acesso ao Parque Nacional Marinho (acesso às Praias do Sueste, Sancho, passeios de barco e mergulho com cilindro), paga-se o valor de 90 reais (brasileiros) e 180 reais para estrangeiros,  pelos 10 dias  de estadia na ilha.

Concluindo: precisa-se de muita grana só para pagar esses encargos. Mas nós estamos na Ilha mais charmosa do Brasil!

Aurélia Guilherme – Alivia um pouquinho aí…

Lorena Ferreira – Vamos aliviar bastante e falar do óbvio. Fernando de Noronha é um local paradisíaco. Situado no Estado de Pernambuco, a ilha oferece o maior presente da natureza. Os visitantes têm banhos mornos, sol praticamente o ano todo. A areia branca e fina é para esticar as pernas e curtir um bom e gostoso bronze. Mergulhos? Com ou sem cilindro, para conhecer a fauna aquática desse paraíso. Além de locais, lugares, praias e monumentos vulcânicos à perder de vista…

Venha comigo…

Aurélia Guilherme – Quem dera estar neste lugar…

Lorena Ferreira – Aqui precisa de muita disposição para se aventurar. Não falta motivo para isso. Muitos turistas alugam buggies por 24 horas, para um “role”, em torno de todo o arquipélago. Escolha a praia que queira passar o dia, ou, visite várias em um só dia. Registre cada pedacinho lindo a cada parada.

A minha paixão sempre foi a Praia Cacimba do Padre. Ela é uma homenagem ao padre que descobriu uma Cacimba de água fresca. Nessa praia você consegue avistar o Morro Dois Irmãos (símbolo oficial de Noronha). Se você for do tipo medroso ou medrosa, há como contratar um bugueiro  ou um guia local. Tem vários na ilha. Ele passa o dia todo  à disposição.

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira | Viagem | Boa Vida Online

Fernando de Noronha: Morro Dois Irmãos, o cartão postal que viaja pelo mundo

Aurélia Guilherme – E o fim de tarde?

Lorena Ferreira – Ah… o fim de tarde em Noronha!? Não tem outro lugar, a não ser o Fortinho do Boldró. Lá, é onde todos os bugueiros (eu digo todos mesmo) se reúnem para contemplar o por do sol. O que de mais lindo eu já presenciei…. Com direito a um barzinho, com petiscos e aquela “loira” bem gelada! Esse é o local e hora para a inspiração chegar… A gente fica sem fôlego. Tem muita foto para registrar…

Vir a Fernando de Noronha e não mergulhar, é conhecer apenas 50% da ilha! Os outros 50%, deixamos para o oceano, com peixes de todas as cores, corais, água límpida, golfinhos e muita fauna para desbravar! Se tem medo de mergulhar de cilindro, não tem problema! Só com a máscara e o  snorkel você consegue ver um mundo submerso fantástico….sem neura! Ainda é possível alugar uma câmera aquática, caso não tenha alguma  em mãos!

Aurélia guilherme – Vamos às compras?

Lorena Ferreira – Comprinhas? As mulheres amam, não é? O próprio Projeto TAMAR tem souvenir e muitos objetos lindos para comprar e presentear amigos e familiares. Além disso, todos os dias tem palestra com os biólogos da Ilha sobre um tema diferente a cada dia. Os turistas se interessam mais pelas histórias dos tubarões. Nesse dia, o auditório do IBAMA lota de visitantes!
O fera da palestra é o especialista Biólogo Leonardo Veras. Alí, há tanto amor por esses animais, que ele próprio montou um espaço –  Museu dos Tubarões. Ele guarda alí, diversas relíquias de mandíbulas de muitas espécies de tubarões.
Um museu muito preparado para o turista conhecer. Tem até um restaurante dentro do Museu em que se pode saborear um petisco de tubarão ( bolinho de tubarão).

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira | Viagem | Boa Vida Online

Biólogo Eduardo Braz – Palestrante que encanta a todos

Conversei um morador Lucas Gandaroli, natural de São Paulo. Soube que ele veio conhecer a ilha, através da indicação de um amigo de Salvador e nunca mais voltou para a “Terra da Garoa”. Há 4 anos, ele se mudou para cá. Lucas se encantou com a segurança da ilha e com a qualidade de vida que se pode ter aqui! Ele é médico no único Hospital da Ilha (Hospital São Lucas). O Governo Pernambucano paga o custeio de moradia para ele, além do alojamento.

Aurélia Guilherme – Nossa, que universo humano diversificado! Super rica essa sua experiência!

Lorena Ferreira – Sim, veja esse outro entrevistado. Ceci, o pescador Anderson Dantas, natural de Maragogi  (Alagoas). Ele passa 3 meses na ilha pescando para os restaurantes de Fernando de Noronha, fazendo um bom bico e garantindo o pão da família.

Conheci também Luciana Evangelista, natural do Rio de Janeiro. Essa turista se estressou um pouco com a taxa TPA, que ela considerou abusiva e reclamou do péssimo atendimento. Quanto às belezas da iIha, ela era só alegria.

Quem vem para Noronha deve saber que tudo aqui é mesmo mais caro. Mesmo amantes da natureza, como o casal paulistano Paulo Gomes e Iris Lacerda. Ambos, na ilha, pela primeira vez. Ficaram chocados! Eles consideraram abusivos, os preços cobrados por qualquer coisa que se queira na ilha. Da garrafinha de água de 300 mls à 7 reais, aos preços caríssimos da alimentação. Pior que sem a garantia de serviços de excelência. Eles reclamaram do atendimento precário e da carência de mão de obra qualificada e eficiente. Sem falar da Internet. Aqui, o sinal é realmente péssimo. “Noronha, ainda precisa melhorar muito para se tornar uma ilha digna de cobrar seus valores exorbitantes,” diz Paulo

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira | Viagem | Boa Vida Online

Luciana Evangelista reclamou dos preços, mas não resistiu aos encantos da ilha

.Aurélia Guilherme – Ah, para! Quando se vai para Fernando de Noronha, a internet é o que menos importa, não é não?

Lorena Ferreira – Sim, mas hoje em dia, ficar sem internet é surreal. Olha só, Karine Kubiak, catarinense, pela 4a vez na ilha. Ela acha que tudo aqui é mais dificultado. Porém, reconhece que estamos bem longe da costa brasileira. Segundo ela, a precariedade já é prevista, mas não se queixa das belas praias e dos encantos de Noronha.

Aurélia Guilherme – Ah! pelo menos isso, não eh?

Lorena Ferreira – A segurança também é 10. Todos concordam que aqui é tranquilíssimo. Nos sentimos muito seguros, pois não existem assaltos, homicídios e latrocínios na ilha.

Aurélia Guilherme – E sobre o projeto Tamar?

Lorena Ferreira – Fantástico. De acordo com o calendário do IBAMA, acontece na praia de Santo Antônio. Adorei! Lá, acontece a captura proposital da tartaruga marinha. A ideia é que isso sirva de ferramentas para palestras de consciência ambiental sobre as espécies da região. Um biólogo ou bióloga do Projeto TAMAR, captura uma tartaruga “no braço” e a leva para a areia da praia. Ele nos explica sobre seus costumes. Alimentação, nome científico, modos de vida, suas características… Além disso, fala-se da importância de não se jogar lixo nas praias. Algumas tartarugas têm um anel de identificação para controle de catálogo eficiente das espécies. As crianças vão ao delírio com a palestra sobre o “bicho”. Ele está alí, tão pertinho de todos, em uma situação in natura e à olhos vistos.

Aurélia Guilherme – E o que se faz a noite?

Lorena Ferreira – Em se tratando de entretenimento gastronômico e de uma boa música, ao vivo, na ilha, acontece toda quarta e sábado o famoso: Festival Gastronômico na Pousada do Zé Maria. Esse é o nome do proprietário da Pousada. Esse festival gastronômico reúne diversas culinárias exóticas, desde o arroz com jaca, à famosa Paella.

Fernando de Noronha, contada por Lorena Ferreira | Viagem | Boa Vida Online

Festival Gastronômico na Pousada do Zé Maria, delícias de se comer quase chorando

O próprio Zé Maria e/ou o filho, Tuca Noronha, abrem o Festival descrevendo alguns pratos exóticos e inusitados. Uma noite com delícias marinhas, com pratos também de carnes bovinas, suínas e frangos. Mas, o carro chefe é o festival de sashimis e a deliciosa Paella. Uma música de fundo, garçons à caráter, luz ambiente e muita conversa. Tudo, em meio a tanta iguaria e beleza de encher olhos e a barriga (risos).

Outro entretenimento é o Bar do Cachorro, onde se acha muita música, de todos os estilos. Toca-se, desde um instrumental de saxofone ao pagode. Tem música para todos os gostos.

Fernando de Noronha, sob as lentes de Lorena Ferreira

Dona Graça é uma graça! Essa nativa ama Noronha e, daqui, não sai por nada desse mundo

Aurélia Guilherme – Você conheceu a Dona Graça?

Lorena Ferreira – Claro, quem não conhece a Dona Graça? Ela é mãe de dois filhos, nativa na ilha há 56 anos, nasceu no Hospital São Lucas. Mãe viva e com 9 irmãos, sendo 1 menino e 8 meninas. Ela tem uma barraca de bebidas e de salgados na Praia do Porto de Santo Antônio e ama tudo por aqui.

Segundo Dona Graça, não há lugar melhor para se morar. Ela diz que não há, apartamento ou casa, em qualquer capital, que a convença a sair da Ilha. Ela reclama um pouco da infra geral da ilha. Diz que precisa melhorar. A educação, por exemplo, só existe 1 colégio na ilha. O transporte coletivo e o asfalto também são precários. Mas, mesmo com todas essas condições, ela não abre mão de morar em Fernando de Noronha.

Aurélia Guilherme – E o “Gostosinho”? Uma figura…

Lorena Ferreira – Figuraça!!! O famoso “Gostosinho” ou melhor, Sr. Luiz Carlos ( natural de Recife). Ele é morador de Noronha há 20 anos. Trabalha vendendo tapioca, mungunzá, bolos, dentre outros quitutes. “Gostosinho” anda em um inusitado transporte criado por ele mesmo. Sua simpatia e carisma conquistam a todos. “Gostosinho” me disse que, com todos os problemas da Ilha, ele não pensa em sair daqui jamais. É casado e tem um casal de filhos. É assim que “Gostosinho” vai ganhando a vida e conhecendo muita gente.

Noronha é um convite para minhas lentes fotográficas. E, assim, vou me despedindo dessa ilha, na certeza de que deixei amigos e muitos convites para voltar!

Visite o portal Boa Vida Online e navegue no melhor que a web pode oferecer!

#Ibama #FernandodeNoronha #IlhadeFernandodeNoronha #ProjetoTamar #viagens #brasiliantravelblogger #FestivalGastronômiconaPousadadoZéMaria #BardoCachorro #tapioca #munguzá #TaxadePreservaçãoAmbiental #GovernodePernambuco #buggies #PraiaCacimbadoPadre #MorroDoisIrmãos #FortinhodoBoldró #bugueiros #snorkel #tubarões #golfinhos #BiólogoLeonardoVeras #MuseudosTubarões #Noronha #praiadeSantoAntônio #Paella

Comentários