Chapada dos Veadeiros, pelas lentes de Carol Chicarolli

Carol na estrada pra cachoeira “Raizama”

A saga da Chapada dos Veadeiros continua. Durante a cobertura do Encontro de Culturas para o Boa Vida Online, os “cliques” ficaram todos por conta da estudante de Design Gráfico, Carol Chicarolli. Dentre vários registros mágicos , informativos e poéticos, a maravilhosa virginiana usou de toda a sua doçura, para selecionar alguns desses momentos e descrevê-los, com o seu olhar peculiar. Todas as legendas das fotos, foram denominadas pela própria Carol. Além de pincelar lindos momentos com sua lente, diz, por ela mesma, sobre a sua primeira ida a esse lugar mágico. Confira:

Liberdade, mesmo que momentânea

“Sempre ouvi falar sobre o céu daqui, mas olhando de perto, com os próprios olhos, tudo se torna uma novidade. Me recuso a sentir a insanidade, quero te pisar descalça. (pelo menos por um instante).

É início do 4º dia, onde finalmente me encontro em paz. A energia daqui é forte, algo que choca a realidade. Te faz questionar o que esteve fazendo tanto tempo longe. Te faz sentir saudade, antes mesmo de ir embora. Transmite uma luz solar encantadora e uma confusão mental noturna, causada pela imensidão do céu, onde as estrelas são tão reluzentes que torna-se algo impossível de se absorver por inteiro. Nunca me senti tão pequena e tão grande ao mesmo tempo.

Cultura que se encontra

Aqui não têm prédios. Acredito que seja a melhor forma de olhar pela a janela e encontrar o solo próximo aos seus olhos, e acreditar que ao seu redor, existem infinitas possibilidades. Aqui não tem problema dormir de botina, não tem problema se sentir importante por conseguir vender uma arte a mais do que no dia anterior.

Aqui o amor existe, mas não venha em busca dele, venha com ele. Os dias aqui são longos. Talvez pela necessidade de querer apreciar casa instante vivido. Cada pessoa que passa. Cada trago de cigarro. Cada gole de cerveja. Cada hippie que vive, e assim sobrevive. Cada sol que nasce e cada lua que dorme. Pedra por pedra. Cristal por cristal. Piso forte, e certeiro, como se tivesse certeza do passo. Solo sem concreto, concreto permaneço. Quero te pisar descalça.”

Grisel, naturalmente encantadora

 

Saia longa, longa jornada

 

Pequena série

Ao pedir para Carol definir as legendas de seus registros, ela designou todas as seguintes fotografias como “Onde a gente encontra a real essência da vida”.

Comentários