Gatos idosos exigem mais cuidados, com a veterinária Ludmilla Malta

Os cuidados com gatos idosos é tema obrigatório para os apaixonados pelos felinos! Afinal, apesar de serem conhecidos por sua independência, os gatos precisam e merecem a atenção de seus donos. Principalmente, quando entram na fase do envelhecimento, a partir dos 7 anos de idade.

Com a idade, os gatos se tornam mais dependentes de seus donos

Eles são conhecidos por sua independência. Mas depois uma certa idade, os gatos idosos precisam de uma atenção especial

Gatos idosos: eles precisam de atenção

É na chamada “idade geriátrica” que os bichanos vão exigir ainda mais cuidados, especialmente com sua higiene e saúde. Veja nesta entrevista com a Médica Veterinária Ludmilla Malta quais cuidados os donos devem ter com seus gatos idosos.

Veterinária Ludmila Malta fala sobre os cuidados com gatos idosos

Dra. Ludmilla Malta, Médica Veterinária, CRMV/GO 5993

Aurélia Guilherme – Os gatos vivem por quantos anos? A partir de quando são considerados “idosos”?

Dra. Ludmilla Malta – É difícil estimar quantos anos de vida o gato terá. Geralmente, vejo em minha rotina de atendimento gatos vivendo de 15 a 20 anos. Existe uma convenção que diz que o gato de 7 a 10 anos é considerado de meia idade. Já o gato de 10 a 15 anos é sênior; e o gato com mais de 15 anos é considerado geriátrico. Mas é importante dizer que cada indivíduo envelhece de maneira diferente. Portanto, esta é apenas uma estimativa de estadiamento de faixas etárias.

Aurélia Guilherme – Quais são os primeiros sinais de que o gato está envelhecendo?

Dra. Ludmilla Malta – As mudanças são variadas e, muitas vezes, discretas. Diminuição do turgor cutâneo (elasticidade da pele), menor tolerância ao estresse, alterações nos relacionamentos sociais e no ciclo de sono. Pode haver também diminuição do olfato, visão e audição, diminuição nos cuidados com o pelo e unhas. Os gatos idosos passam a ter dificuldades de subir ou descer de lugares mais altos e de vencer obstáculos. Há ainda a presença de pigmentação não neoplásica na íris (parte colorida dos olhos).

Sinais do envelhecimento

Aurélia Guilherme – Com relação à saúde, quais são as doenças mais comuns nos gatos idosos? Quais são os sinais e sintomas que elas manifestam?

Dra. Ludmilla Malta – A doença renal é a principal preocupação com o felino geriátrico. Devemos tomar cuidado com gatos que passam a urinar um volume maior do que o habitual, a chamada poliúria. Com gatos que passam a beber mais água do que de costume, a polidipsia; e com gatos que perdem peso ou passam a vomitar frequentemente.

Temos ainda preocupações com o hipertireoidismo, que também não é incomum nos felinos. Nesses casos, os sintomas são o emagrecimento, mesmo com o apetite aumentado, somado a um aumento nas atividades. Além da poliúria e da polidipsia. O diabetes também é um mal preocupante e possui sintomas, como a perda de peso, poliúria e a polidipsia.

Além disso, a frequência das neoplasias também aumenta e os sintomas são variados. Doenças articulares, como as osteoartrites, são frequentes e cursam com dor. Isso leva à diminuição nas atividades e dificuldade de saltar de locais mais altos.

Leia também Oftalmologia para cães e gatos, com a veterinária Marcela da Mata

Aurélia Guilherme – Como prevenir e tratar esses problemas?

Dra. Ludmilla Malta – Os gatos são muito bons em não manifestar sintomas e em esconder sinais de dor e de mal-estar. Levá-los ao veterinário frequentemente é a maneira eficaz para detectar as patologias no início, evitando ou diminuindo sua progressão. Qualquer mudança no comportamento do felino serve de alerta de que algo não vai bem. Gatos que começam a se esconder, a miar mais, que ficam mais agressivos ou parados devem ser levados ao veterinário.

Obesidade pode ser um problema a mais para os gatos idosos

Em cada fase de sua vida, o felino deve ter um acompanhamento nutricional diferenciado, orientado pelo veterinário

Gatos idosos e sobrepeso

Aurélia Guilherme – É importante cuidar para que o animal não se torne obeso? O sobrepeso pode levar ao aparecimento de mais doenças geriátricas? 

Dra. Ludmilla Malta – Os cuidados com a prevenção da obesidade devem ser maiores em gatos a partir da meia idade. A obesidade pode predispor problemas como diabetes e lipidose hepática (infiltração de gordura nas células hepáticas). Também intensifica problemas já existentes, como osteoartrites e displasias.

Aurélia Guilherme – Há mudanças muito fortes no comportamento/temperamento dos gatos idosos?

Dra. Ludmilla Malta – Assim como os seres humanos, os gatos geriátricos podem apresentar o que chamamos de disfunção cognitiva. Aproximadamente 50% dos felinos, acima de 15 anos, manifestam sinais deste tipo de disfunção. Nestes casos, o gato apresenta severas alterações de comportamento. Tais como eliminação de urina e de fezes em locais inapropriados; desorientação espacial e temporal; mudanças nas interações entre os familiares; alterações no ciclo de sono; mudanças nas atividades; vocalizações exageradas, principalmente no período noturno.

Aurélia Guilherme – Os gatos são bichos bastante ciumentos. Essa característica é intensificada com o envelhecimento?

Dra. Ludmilla Malta – Isso pode acontecer, principalmente em casos de gatos com disfunção cognitiva. Os gatos idosos podem se mostrar mais ciumentos ou mais distantes da família.

O comportamento da família

Aurélia Guilherme – Como os donos devem agir diante dessas mudanças de comportamento?

Dra. Ludmilla Malta – É importante que os donos estejam preparados para essas mudanças. Afinal, elas podem ser um motivo de muita tristeza e apreensão na família. Todos precisam ter muita paciência e tratar o animal com muito carinho. Vale ressaltar que velhice não é motivo para eutanásia e, muito menos, abandono de animais.

Aurélia Guilherme – O gato geriátrico pode se tornar violento?

Dra. Ludmilla Malta – Sim! Em alguns casos, o gato idoso pode se mostrar mais violento. Essa agressividade pode ser um sinal de que o animal está sentindo dor. Ele precisa ser examinado pelo veterinário, e pode ser apenas um sinal de senilidade.

Na velhice, os felinos se tornam mais dependentes de seus donos

Os donos devem ter mais cuidado com a higiene dos gatoso idosos

Aurélia Guilherme – E quanto à independência dos gatos, isso muda na velhice? Gatos idosos se tornam mais dependentes de seus donos?

Dra. Ludmilla Malta – Na velhice, os gatos passam a depender mais de seus tutores. Seja para identificar sinais de doenças, como para manter a pelagem limpa e as unhas bem tratadas. Isso porquê, com a idade, os cuidados com a higiene costumam diminuir.

Aurélia Guilherme – É preciso mudar a alimentação do gato idoso?

Dra. Ludmilla Malta – Em cada fase de sua vida, o felino deve ter um acompanhamento nutricional diferenciado, orientado pelo veterinário.

Envelhecimento saudável

Aurélia Guilherme – Como cuidar bem dos gatos jovens para que eles tenham uma qualidade de vida maior na velhice?

Dra. Ludmilla Malta – São cuidados importantes: garantir uma alimentação de qualidade e visitas regulares ao veterinário, desde a infância. Desta forma, o proprietário dará a chance para que o animal envelheça da melhor maneira possível.

Cirurgia de castração deve ser feita pelo veterinário

É importante garantir uma alimentação de qualidade e visitas regulares ao veterinário desde a infância

Aurélia Guilherme – Castrar o animal pode trazer algum problema de saúde na velhice?

Dra. Ludmilla Malta – De maneira alguma! A castração só trará benefícios à vida do animal geriátrico. A castração é uma cirurgia como as demais. Portanto, deve ser realizada seguindo os critérios de higiene e de segurança, que qualquer procedimento cirúrgico deve ter.

Mitos e verdades sobre castração de cães e gato. Saiba mais com o veterinário Luciano Schneider

Aurélia Guilherme – Nessa fase da vida, as visitas ao veterinário devem ser mais frequentes? Qual é a sua recomendação para cada fase de vida de um gato?

Dra. Ludmilla Malta – Até os 7 anos de vida, uma consulta anual é o recomendado. A partir desta idade, o ideal são consultas semestrais. Entretanto, caso o animal tenha alguma patologia e necessite de atendimentos mais regulares, o veterinário deverá orientar o proprietário.

Aurélia Guilherme – Tem alguma raça de gatos mais propensa a apresentar problemas de saúde?

Dra. Ludmilla Malta – Gatos de raça pura possuem uma saúde mais delicada do que os gatinhos sem raça definida (SRD).

Aurélia Guilherme – É verdade que quando pressentem a morte, os gatos se afastam de casa, do dono? Por quê?

Dra. Ludmilla Malta – Na verdade, o gato se esconde em situações de doença.  E também quando essas situações podem, de alguma forma, expor sua fragilidade diante de algum predador. O gato se esconde quando não se sente bem e, em alguns casos, acaba vindo a óbito.

Ludmilla Malta é médica veterinária. Pós-graduada em Clínica Médica e Cirúrgica de Felinos pelo Instituto Qualittas. Integrante a American Association of Feline Practitioners (AAFP).

#boavida #boavidaonline #aureliaguilherme #blogdaaurelia #gatosidosos #pet #veterinarios #cuidadoscomosfelinos #bichosdeestimacao #veterinaria #felinos #gatos

Comentários