Gravidez

1 – O casal que planeja ter filhos deve estar atento a algumas orientações médicas anteriores à gestação. Quais os cuidados a serem tomados neste momento?
Do ponto de vista legal, desde 1997 foram estabelecidas novas diretrizes para as orientações pré-concepcionais. Em um primeiro momento, devem ser realizados exames laboratoriais para avaliar doenças e as condições maternas antes da gestação. Portanto, antes de constituir família, o casal deve fazer exames, como: o hemograma (capaz de detectar anemias ou infecções), a tipagem sanguínea do casal, a glicemia de jejum (grávidas diabéticas necessitam de acompanhamento especial, além de dietas especificas e outras orientações), as sorologias de infecções (possibilitam o diagnóstico de sífilis, rubéola, toxoplasmose, citomegalovirus, herpes, HIV, hepatites A, B e C). O exame de Doença de Chagas (muito indicado para o estado de Goiás), os testes para a prevenção do câncer ginecológico, a ultrassonografia pélvica (importante para o rastreamento de doenças ginecológicas) e os exames laboratoriais do parceiro (para detectar possíveis infecções por HIV e hepatites) também devem ser feitos. Depois de realizados os primeiros testes, é preciso investigar o risco genético da paciente, orientá-la de acordo com o que for identificado e programar cuidados especiais, se necessário. Logo após essa etapa, é importante discutir com a paciente ou mesmo com o casal, assuntos como: o intervalo entre os partos (com a indicada anticoncepção e o momento ideal para sua interrupção); os aspectos psicológicos, familiares, sociais e financeiros envolvidos; os hábitos e o estado nutricional, bem como o estilo de vida; e, por fim, a importância da vigilância pré-natal precoce e regular. Durante esse momento pré-concepcional, também é realizado um registro do ciclo menstrual da mulher, além de suplementação com ácido fólico e polivitamínicos, em caso de necessidade.

14923144_xl2 – Sabe-se que os exames são de grande importância para uma gestação saudável e sem surpresas, tanto para a mãe, quanto para o bebê. Existe um calendário a ser seguido para o pré-natal?
Segundo a Organização Mundial de Saúde, bem como o Ministério da Saúde, é preciso que sejam realizadas no mínimo seis consultas em uma gestação de baixo risco. A primeira consulta deve ser feita o mais cedo possível. No pré-natal de baixo risco são aconselhados retornos mensais até a semana de número 32; quinzenais entre a 32ª e a 36ª semanas e retornos semanais, da 36ª semana até o parto. Já no pré-natal de alto risco, devem ser realizadas consultas mensais até a semana de número 28; quinzenais da 28ª a 36ª semanas e semanais da 36ª semana até o parto.

3 – Muitos dos exames realizados no momento préconcepcional são repetidos nas primeiras consultas do prénatal. É o caso do hemograma, da glicemia de jejum e das sorologias. Quais os outros exames realizados neste período de gestação?
Além do hemograma, da glicemia de jejum e das sorologias para detectar infecções, são realizados exames simples de urina, pesquisas para a determinação do grupo sanguíneo, testes protoparasitológicos, análise de colpocitologia oncótica (para detectar o câncer de colo do útero) e o teste de tolerância à glicose simplificada (ideal para triagem de diabetes gestacional). A ultrassonografia deve ser solicitada, se possível, entre a 6ª e a 7ª semanas, por via endovaginal, para melhor datação da gestação e diagnóstico precoce, por exemplo, de gestação múltipla ou ectópica (fora da cavidade uterina). Se a primeira consulta for realizada próxima a 11ª semana, já é preciso solicitar a Ultrassonografia Morfológica do 1º trimestre, para avaliação da translucência nucal, do osso nasal e do ducto venoso (importantes na detecção da Síndrome de Down e outras anomalias cromossômicas). O passo seguinte é a Ultrassonografia Morfológica do 2º trimestre, que é o exame ultrassonográfico mais importante do pré-natal e deve ser oferecido rotineiramente à gestante. O período ideal para sua realização é entre a 20ª e a 24ª semanas de gestação.

4 – As gestantes se preocupam muito com o ganho de peso durante esse período. Qual é o ganho de peso aceitável durante a gravidez? Há alguma restrição a produtos diet/light, como os adoçantes artificiais?
Existe um padrão geral de aumento de peso aceitável. Ele consiste em uma conta simples que deve levar em consideração o equivalente a 5% do peso inicial da mulher acrescido de 6 kg. Por exemplo, uma pessoa de 80 kg, teria um aumento de peso aceitável de até 10 kg. Na expectativa de não adquirir muito peso durante a gravidez, as mulheres costumam incluir os adoçantes arti fi ciais em suas dietas. Sabe-se que o aspartame e o stevia são compatíveis com a gestação em doses habituais, porém o uso de aspartame durante a amamentação ainda é controverso. Não existem estudos suficientes sobre a sacarina e o ciclamato, por isso eles devem ser evitados.

MANU GRAVIDA5 – O uso de drogas lícitas no pré-natal, como o álcool e o cigarro, causam intercorrências sérias na gestação, com danos diretos ao feto. Quais os malefícios mais comuns causados pelo alcoolismo e tabagismo?
Por vergonha ou desinformação, muitas gestantes omitem informações sobre esse assunto de seus médicos, mas é importante conversar com o especialista. As intercorrências mais comuns são causadas pelo uso do tabaco, álcool, cafeína, maconha, cocaína, anfetaminas, crack e ecstasy. Algumas drogas causam maiores danos do que outras, mas todas são perigosas ao feto. O fumo, por exemplo, reduz o peso do bebê ao nascer e aumenta o risco de mortalidade perinatal (morte do bebê entre a 28ª semana de gravidez e o 7º dia após o nascimento). Além disso, pode haver abortamento espontâneo, ocorrência de placentas prévias (quando a placenta está fIxada à parede da parte inferior do útero) e parto prematuro. Foi notado também, em crianças de mães que fumaram na gravidez, níveis menores de desenvolvimento físico e mental (Q.I). Já em mães alcoólatras, há um padrão de malformações craniofaciais, do sistema nervoso central, do aparelho genitourinário, da pele, dos músculos e do esqueleto, além de alterações no desenvolvimento cardíaco do feto.

6 – E quanto as drogas ilícitas?
De acordo com o relatório da Fundação Britânica do Pulmão, o uso de três cigarros de maconha tem o mesmo efeito de vinte cigarros normais em tecidos pulmonares. Na gestação, essa droga diminui a oxigenação e o desenvolvimento fetal e aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, atrasando o fluxo sanguíneo para a placenta. O princípio ativo da maconha, o THC, é excretado no leite materno, assim como a cocaína, o que contra indica seu uso durante o período de amamentação. Porém, do ponto de vista de malformações (teratogenicidade), não existem evidências que seu uso provoque alguma alteração. Como a metabolização e eliminação da cocaína são mais lentas em fetos, crianças e gestantes, essa droga e suas derivações ficam mais tempo disponíveis no organismo. É o caso do uso do crack, que causa profunda alteração no que se refere ao peso do bebê no nascimento e aos sinais neurológicos do feto. Vários estudos apontam deficiência do desenvolvimento neuropsicomotor nos primeiros anos de vida, nos chamados crack babies. Também estão relacionados ao uso de cocaína e de crack na gestação, os seguintes problemas: abortamento espontâneo, trabalho de parto prematuro, descolamento prematuro de placenta, óbito fetal tardio, aumento da movimentação fetal, crescimento fetal intra-uterino retardado, crise hipertensiva do bebê e a síndrome de abstinência de cocaína no recém nascido. Além dessas intercorrências, também pode ocorrer que as fezes do feto (chamadas de mecônio) sejam liberadas para a cavidade do líquido amniótico.

7 – A gestante tem o direito à escolha de sua via de parto, seja ela normal ou por cesariana. É dever do médico orientá-la sobre as vantagens e desvantagens de cada opção. Caso a mulher prefira realizar o parto cesariano, qual seria o momento ideal para que ele ocorra?
A cesariana eletiva normalmente é marcada em torno da 39ª semana de gestação ou após a confirmação de maturidade do feto. As razões mais comuns para optar pelo parto cesariano incluem o desejo de programar o momento de nascimento do filho, o de prevenir lesões perineais, as incontinências urinárias e fecais, além da preocupação em evitar traumas obstétricos ao feto. Algumas gestantes também optam pela cesariana por medo do parto normal e, quando são forçadas a continuar no trabalho de parto por via vaginal, podem dificultar o processo, além de favorecer algumas complicações.

8 – O pós-parto é tão importante quanto o pré-natal e exige uma série de cuidados e recomendações. Quais são essas recomendações especiais para as pacientes que, após conversarem com seu obstetra, optaram por parto cesariano programado?
Mesmo com baixos índices de mortalidade materna na cesárea moderna, os cuidados no pós-operatório devem ser rigorosos. Fazem parte das recomendações especiais do pós-parto: o repouso no leito nas primeiras horas, o uso de medicação sintomática e o uso de antibióticos em caso de necessidade de prevenção de infecções. Além dessas orientações, é importante que a paciente se force a andar após algumas horas da realização da cirurgia. Os cuidados com a higiene corporal e com a cicatriz cirúrgica devem ser rigorosos. Também são fundamentais as informações sobre a importância e sobre as técnicas de amamentação.

9 – Dentre os exames solicitados aos recém nascidos temos o teste da orelhinha que é importante, mas pouco conhecido das mães. Como é esse exame?
O teste da orelhinha é um exame não invasivo (sem cortes ou punções), totalmente indolor e rápido (dura menos de 5 minutos), que serve para a detecção precoce de deficiências auditivas. O teste pode ser realizado com o recém nascido acordado ou dormindo e é um dos exames essenciais para a saúde do bebê, assim como o teste do pezinho (capaz de descobrir doenças metabólicas, genéticas e/ou infecciosas que causam retardo mental) e o teste do olhinho (capaz de detectar e prevenir diversas patologias oculares).

Iure Queiroz

Comentários