Gravidez – 7 mudanças que a gestante vivencia, com o ginecologista João Luiz Tarlé Rosa

A gravidez é uma fase especial na vida de toda mulher. É tempo de preparar tudo para a chegada de um novo integrante da família. Decorar o quartinho do bebê, escolher o enxoval e encher a casa de muito amor. Mas também é preciso lidar com as mudanças que ocorrem no corpo durante a gestação. Algumas trazem bastante desconforto!

Gravidez é um período em que o corpo feminino passa por muitas mudanças

Durante a gravidez, a mulher sente vários desconfortos pelas mudanças no corpo

Mesmo sendo uma fase mágica, cheia de amor e aprendizados, a gravidez também traz incômodos para a mulher. Ao longo dos nove meses, com o crescimento do bebê, o útero necessita de mais espaço para abrigá-lo. Assim, os órgãos da mãe, como pulmão, estômago, bexiga e intestinos, acabam sendo comprimidos. Isso gera dificuldades na digestão e alguns outros desconfortos… Quem fala das mudanças durante a gravidez é nosso consultor, o ginecologista e obstetra João Luiz Tarlé Rosa.

Visite o perfil do nosso consultor João Luiz Tarlé Rosa.

João Luiz Tarlé Rosa fala sobre as mudanças vivenciadas pela mulher na gravidez

João Luiz Tarlé Rosa – Ginecologista e Obstetra – CRM – GO 7014

Gravidez – Mudanças que a gestante vivencia

Enjoos, cansaço e sonolência

Nada menos que 80% das mulheres grávidas têm enjoos durante os primeiros três meses de gestação. É uma resposta à mudança hormonal intensa que seu organismo vivencia nesse período. Esses enjoos podem vim acompanhados de queda de pressão arterial. Algumas gestantes ainda passam por alterações de humor. Grávidas ficam mais sensíveis, instáveis emocionalmente e tendem a chorar mais.

Outras alterações comuns nesse período são as sensações maiores de cansaço e sonolência. Isso ocorre porque todo organismo feminino está imbuído do esforço para garantir o necessário ao desenvolvimento do feto no útero. Então é comum que a mulher se sinta mais cansada e sonolenta.

Mais sangue circulando, ritmo cardíaco mais acelerado

Durante a gravidez, o volume de sangue eleva-se em até 50%, intensificando o fluxo sanguíneo. O volume de sangue no corpo da mulher grávida pode chegar a 6,7 litros. Com isso, o coração da mãe bate mais rápido para dar conta de bombear o volume maior de sangue.

Mais frequência nas idas ao banheiro

Com o bebê precisando de mais espaço, a bexiga fica comprimida, apertadinha… Para completar, com o fluxo sanguíneo mais elevado, os rins trabalham mais. Eles filtram um maior volume de sangue, e assim há uma produção maior de urina. Agora você entende por que as grávidas fazem “xixi” mais vezes!

Mudanças na pele

Nove em cada 10 grávidas sofrem com o aparecimento das indesejáveis manchas pelo corpo. Elas surgem especialmente no rosto. Além disso, os mamilos podem ficar mais escuros e as gengivas se tornarem mais esponjosas. Em compensação, as grávidas têm a pele menos oleosas e sem acnes.

Dores de coluna, desconforto ao andar

A coluna da mulher grávida precisa sustentar um peso extra: o bebê em desenvolvimento. É comum a postura da mãe mudar devagar, de forma natural. Há um deslocamento do eixo de equilíbrio dela. Os ombros são jogados para trás e as pernas ficam mais afastadas. O útero expandido comprime os órgãos da mãe e, por isso, as costelas são empurradas para fora. A coluna é sobrecarregada, os ligamentos ficam mais distendidos e a mulher sente mais desconforto ao andar.

Gravidez: transformações no corpo feminino

Na gravidez, o organismo feminino produz mais progesterona. Esse hormônio produz várias transformações no organismo

Útero cresce, relaxa e deixa o intestino mais “preguiçoso”

O útero é um músculo. Antes da gravidez, ele tem o tamanho e o formato de uma pera invertida. Quando o óvulo é fecundado, gerando o embrião, há o início uma verdadeira transformação hormonal na mulher. O útero passa a crescer para abrigar o feto. Até o final da gravidez, ele pode aumentar em 20 vezes o seu peso original. Também cresce em volume, passando de 90 cm3 para 1 000 cm3 ao final dos nove meses de gestação.

Para esse crescimento, a mulher passa a produzir mais progesterona, um hormônio capaz de relaxar a musculatura do útero. Por consequência, esse hormônio também deixa os músculos do intestino relaxados. Assim, o intestino se torna mais lento, “preguiçoso”, o que pode causar prisão de ventre.

Digestão mais lenta e azia

Azia é outro desconforto muito comum às grávidas, que costuma se intensificar ao final da gestação. Isso ocorre porque a progesterona também relaxa a válvula que separa o esôfago do estômago. Assim os ácidos gástricos, presentes no estômago e responsáveis pela digestão, acabam alcançando o esôfago. O resultado é essa a sensação de queimação, de azia na gravidez. Outra questão que intensifica esse problema é a compressão do estômago feita pelo útero. Isso dificulta a digestão, tornando-a mais lenta e ajudando a intensificar essa azia.

Leia mais sobre gravidez com o ginecologista e obstetra João Luiz Tarlé Rosa:

• Azia na gestação

• 7 hábitos que podem prejudicar a gestação

• Gestação tardia

#boavida #boavidaonline #blogdaaurelia #aureliaguilherme #gravidez #7mudancasnagravidez #gestacao #maesefilhos #azianagravidez #enjoogravidez #mulheresgravidas #progesterona #desconfortosnagravidez

 

Comentários