Movimento Brasil sem Parasitose em Goiânia, com o Gastroenterologista Rômulo Pereira

Movimento Brasil sem Parasitose em Goiânia

Três consultórios estão adaptados no caminhão Brasil sem Parasitose, que corta o Brasil, em nome da saúde.

Movimento Brasil sem Parasitose em Goiânia

Médicos Gastroenterologistas, agentes de saúde e enfermeiros estão percorrendo os quatro cantos do país, em um trabalho sanitário incrível. Trata-se do Movimento Brasil sem Parasitose, que  tem o objetivo de orientar a população na prevenção à respeito da contaminação por parasitoses e mapear as condições sanitárias do povo brasileiro. Cuidados com a higiene, tratamentos corretos e controle  de doenças são o mote dessa caravana da saúde. Uma Unidade Móvel, adaptada em 3 consultórios sobre um caminhão, está fazendo um trabalho, não só para as pessoas que vivem nas áreas críticas de saneamento básico, mas para toda a população, uma vez que as parasitoses se proliferam facilmente e contaminam qualquer pessoa. Portanto, esse é um mal que vai muito além das condições sócio-econômicas mais desfavorecidas.

Nosso consultor em Gastroenterologia, doutor Rômulo Pereira (leia-se Amice), faz parte da Sociedade Goiana de Gastroenterologia, e estará à postos, quando a caravana passar por Goiânia, entre os dias 09 e 11 de Maio. Ele é o nosso convidado para esta entrevista ao Boa Vida Online:

Movimento Brasil sem Parasitose em Goiânia Gastroenterologista Rômulo Pereira

Dr. Rômulo Gustavo Pereira, Gastroenterologista e Nutrólogo, CRM-GO – 8829. Nosso consultor é um dos Gastroenterologistas da caravana, em Goiânia. Ele faz parte do time de profissionais que orienta a população e que aposta na prevenção das parasitoses.

Aurélia Guilherme – Nós sabemos que as condições sanitárias em muitos lugares do Brasil são extremamente precárias. Porém de um modo geral, pela facilidade de proliferação desses microorganismos, todos nós somos contaminados de alguma forma. Quais as consequências das parasitoses intestinais?

Dr. Rômulo Pereira – É verdade, infelizmente trata-se de um problema de saúde pública. É preciso orientar a todos sobre os principais focos de transmissão para diminuir ou conter essas doenças. Essas, são doenças que podem se agravar e até levar à morte, principalmente se tratarem de crianças. Verminoses em pessoas nutridas não oferecem riscos. Porém, em um organismo debilitado e desnutrido, as consequências podem se agravar. Evitar parasitas, passa pela educação,mas é preciso tratar aqueles que estão contaminados. Por isso é tão importante o Movimento Brasil sem Parasitose.

Aurélia Guilherme – Quais são as formas de contaminação?

Dr. Rômulo Pereira – Os focos de transmissão variam com as formas oral e pelo contágio no contato com a pele, principalmente mãos e pés. Assim, a teníase, por exemplo, é facilmente adquirida pelos alimentos contaminados. Carnes cruas ou mal passadas que contenham ovos ou cistos dos parasitas, verduras mal lavadas, água contaminada são veículos de transmissão. É importante afastar moscas, formigas e baratas dos alimentos.

Já, a ancilostomíase (amarelão) e estrongiloidíase têm seu foco no contato com a terra. As crianças que brincam descalças, em ambiente sujo, sejam lotes baldios, água poluída ou em terra adubada com fezes, estão bem vulneráveis às parasitoses. Infelizmente, em nosso país, ainda temos péssimas condições sanitárias. A educação preventiva é de extrema importância no sentido de desinfetar o solo, orientar a todos, principalmente as crianças, a se manterem calçadas nesses ambientes e de unhas bem aparadas. Com a informação, mesmo em locais com saneamento básico deficiente, vamos conseguir diminuir a infestação desses parasitas. A cisticercose pode estar presente na carne de porco mal cozida e a esquistossomose está nos locais onde há caramujos, geralmente em áreas endêmicas, como reservatórios, águas de rios, etc.

Os ovos dos parasitas contaminam um indivíduo pela ingestão de alimentos. Já a larva está transitando em algum ambiente – lixo, fezes de animais, água contaminada – à espera de um hospedeiro. Essa caravana da saúde vem, justamente orientar sobre os cuidados necessários de proteção. Afaste os insetos, a sujeira do ambiente e mantenha os cuidados de higiene com as mãos, unhas, pés, roupas íntimas e de cama.

Por onde passar a comitiva do Movimento Brasil sem Parasitose, a população será bem informada sobre todas essas questões.

Movimento Brasil sem Parasitose em Goiânia

A incidência das parasitoses nas crianças é ainda maior. Naquelas que estão debilitadas, há risco de morte!

Aurélia Guilherme – É comum, nos dias de hoje, mantermos animais domésticos convivendo com pessoas. As crianças, principalmente, se envolvem de forma bem íntima com eles. Animais dormindo com os donos, que ganham lambidas no rosto. É comum, também, o compartilhamento da comida. Essas são práticas usuais e consideradas “normais”. Quais as consequências dessa convivência?

Dr. Rômulo Pereira – Animais domésticos carregam consigo uma infinidade de microorganismos que provocam doenças. Por isso, é de extrema importância que eles estejam com a saúde em dia, vacinados e vermifugados adequadamente. Mesmo assim, há de se manter uma convivência não tão íntima. Não é necessário compartilhar alimentos e a cama com os bichinhos e vamos evitar os beijos e as lambidas de nossos amiguinhos. No ambiente onde eles circulam, é importante que as fezes e a urina não fiquem expostas por muito tempo. Fezes, lambidas são fontes carregadas de parasitas. É comum encontrarmos crianças contaminadas em areias frequentadas por gatos. A fezes de gatos e cães depositadas na areia podem conter a larva migrans (bicho geográfico). Portanto, muito cuidado com a areia da praia, de parquinhos das escolas e praças.

A toxoplasmose Gondii é uma infeccção transmitida por um protozoário que habita o intestino dos gatos. Então, as fezes do bichinho podem estar repletas desse microorganismo. Essa é uma doença que representa perigo à saúde humana. Em mulheres grávidas, os cuidados devem ser redobrados.

Por sua vez, os cães  são transmissores da leishimaniose visceral, transmissora da raiva e pode ser letal aos humanos.

Pretendemos com o Movimento Brasil sem Parasitose, informar aos pais e às próprias crianças sobre uma convivência sadia com os animais.

Aurélia Guilherme – Quais são os sintomas da contaminação dos parasitas?

Dr. Rômulo Pereira – Se há presença de cólicas abdominais, enjoos, oscilações intestinais com diarreia frequente, vômitos periódicos, inapetência, anemia, fraqueza, falta de disposição, emagrecimento e coceira no ânus, vontade de comer coisas diferentes, como terra, areia e tijolo, desconfie e procure um especialista . Esses são os principais sinais e sintomas de contaminação. É importante mantermos a higiene das mãos, dos pés, depois que usamos o banheiro, tocamos nos animais, quando chegamos da rua e antes das refeições. As crianças devem evitar chupar o dedo, assim como as chupetas e a mamadeira devem estar bem higienizadas. Esses são hábitos  e cuidados importantes que devem ser observados por todos.

O projeto social e educacional do Movimento Brasil  sem Parasitose tem o apoio da  Federação Brasileira de Gastroenterologia, da Sociedade Goiana de Gastroenterologia, do Laboratório FQM – Farmoquímica. Vamos estar todos empenhados em promover a saúde e a conscientização de nossa população entre os dias 09 e 11 de Maio de 2017, quando a Unidade Móvel  dessa caravana passar por Goiânia.”


O Movimento Brasil sem Parasitose estará em Goiânia entre os dias 9 e 11 de maio. Confira os detalhes e participe: 

Horário: das 08h às 17h

Onde: BURITI SHOPPING

Endereço: Avenida Rio Verde, Quadras 102/104 – Vila São Tomaz

www.brasilsemparasitose.com.br


Comentários