Renato Russo: quando o roqueiro abriu o jogo sobre dependência química

Renato Russo

                                            Renato Russo em uma época de reconstrução de seu ser

 

Nessa entrevista do Legião Urbana, no Programa de Jô Soares, em  1994, Renato Russo está incrível. Ele abre o jogo sobre sua dependência química de tranquilizantes e de álcool, em uma fase de muita consciência e desejo de deixar os vícios para trás.

RR desmistifica essa associação de que todo poeta precisa do álcool para liberar a mente no encontro das palavras românticas e diz que a espiritualidade deve ser cultivada através da ioga e da meditação. Nessa entrevista, Renata já antevia o fundo do poço e chegou a se comparar com a autodestruição de Kurt Cobain (Nirvana). Essa foi uma época em que nosso ícone do rock’roll estava firmemente disposto a virar o jogo e ficar limpo de goles e bolas.

Renato está de bom humor e muito simpático nessa entrevista de pouco mais de 15 minutos e, veja só, em 1994, a música escolhida para cantar no programa foi “Que País é Esse”. Ele disse que essa música era bem atual na época, imagine! Infelizmente, nunca deixou de ser atual. Nosso país continua na mesma “vibe”:

“Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação…”

Infelizmente, dois anos depois, em 1996, nosso heroi não morreu de overdose, mas por ser soropositivo. Sua homossexualidade, assumida em 1990, foi, de certa forma anunciada em canções, como “Soldados” e “Daniel na Cova dos Leões”. Os coqueteis antiaids não puderam conter o avanço da doença e lá se foi o maior gênio do nosso rock’roll.

Hoje, depois de forte demanda judicial entre o filho de Renato, Giuliano Manfredini e Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, os parceiros de RR venceram sobre o direito de uso do nome da banda Legião Urbana e, desde o ano passado, eles fazem turnês pelo Brasil, com André Frateschi no vocal. O Legião Urbana está de volta, só que não…

Eternas saudades….

Veja a entrevista: 

Comentários