Simplicidade como tendência de moda, com Milleide Lopes


Será que ainda se vive na cúpula equivocada do mundo da moda, onde quem é estiloso é quem segue tendência? Os tempos parecem ser outros. Tanto, que há muito quem concorde com isso ou discorde da atual conjuntura na qual o mundo fashion está inserido.Milleide Lopes, ícone da vestimenta em Goiânia, se encaixa no grupo de super mulheres que, além de uma história concisa de força, sublima amor no que faz, respirando muita originalidade e bom gosto em seu arsenal criativo.

Boa Vida Online conversou com essa estilista, que abriu o sentido de suas criações e evidenciou a simplicidade como a tendência atemporal mais marcante e significativa. A capricorniana não arreda o pé para o que acredita e vai até o fim na documentação de sua história nessa existência, deixando coloridos rastros por onde passa: sua produção sob encomenda, suas coleções meticulosamente pensadas e até o que é capaz de criar em cima do reaproveitamento de todo e qualquer retalho.

Conheça os detalhes dessa história e compreenda como a simplicidade e a sinceridade consigo mesmo são capazes de lhe tornar uma pessoa muito bem mais vistosa, do que se engessasse suas expressões de veste na ditadura magra, segregada e presa por estações no mundo da moda. Todo e qualquer estímulo é muito bem – vindo para a construção estética do seu ser, mas a regra é só uma: que o que te faz bem, seja sua moda.

O início

“Minha mãe sempre me curou de males com ervas e plantas – escrevo com lágrimas nos olhos, porque vim de família pobre, classe D, nesse Brasil onde as assistências públicas são ridículas e para muitos, é normal viver de planos pagos, o que para mim, é um absurdo. Nunca olhamos para o que é feio com esperança. Nunca queremos transformar. Minha mãe, que é filha de um ex – funcionário da FAB – Força Aérea Brasileira (meu falecido vô Salomão), andou esse país o acompanhando no final da demarcação do centro – oeste e viu muita injustiça, muito índio morto, muita violência contra a mulher. Também viu muita beleza, muito verde. Choramos muito quando voltei com ela ao casebre que meu avô viu seus primeiros netos nascerem, todo tomado por uma cidade e junto a uma base militar. Choramos por não ter vida, por não ter natureza, por tudo que era de belo e acabou se tornando algo seco, vazio e cheio de concreto.


Com 18 anos, fui morar sozinha e conheci uma galera que fazia cultura e moda, tudo junto e misturado (antiga Fabrica Cultura Coletiva). Lá, conheci o tal Casulo, que só tinha coisas legais e autorais. Eu precisava ficar mais próxima dessa turma e foi lá que me encontrei. Podia expressar todos os meus pensamentos e não ser vista como louca e nem como a “doida das modas”. Em 2010, passei a entender e viver da economia colaborativa, aprendi muito sobre arte, moda, música e experimentávamos tudo isso junto. Passei a entender meu trabalho de moda como uma ferramenta de aproximação para expressar muito mais do que pano para as pessoas. Aprendi muito com grupos militantes da cultura sobre a importância do criar com significados, de conectar pessoas e criar vínculos através do meu trabalho e do trabalho coletivo. Enfim, uma vivência mega plural e muito social também. Daí vem o meu olhar humano e simples e que hoje, posso mostrar com meu corpo e vida, uma possibilidade maior e melhor”.

Inspirações de mãe

“Valores da simplicidade que agreguei na minha humilde criação com minha mãe, uma mulher incrível. Neta de índia, do povo que viveu da terra e que ajudou a proteger essa terra também. Dela vem toda minha tremenda força em ser mais nessa vida. Desde pequena, ela me ensinou a plantar e colher, respeitando esse espaço imenso que chamamos de planeta terra. Me repassou conhecimentos e os benefícios que ela traz através das plantas e frutos. Minha mãe, mulher incrível e inspiradora me ensinou com a falta, com as diferenças sociais que vivíamos – e ainda vivemos – e me fez perceber que respeitar é a primeira coisa que precisamos fazer ao viver por aqui”.

Menos é mais

“De uma maneira geral, na base da nossa educação há aquela ideia de que ter é igual a ser. No entanto, em minha filosofia de vida, esses valores são totalmente inversos. Ser mais e ter menos, não querem dizer que não posso comprar nada, mas que sou muito criteriosa ao escolher o que quero para mim. Por exemplo, ando a pé, ando de bike, ando de UBER ou ando de carona e, dessa forma, posso viver minha cidade de uma maneira melhor e assim, torna-se possível contribuir para uma vida mais consciente e saudável. Procuro fortalecer minorias (eu sou uma minoria). Aproveitar as coisas e não jogar nada fora é uma grande sabedoria que aprendi: fazer adubo com minhas sobras, tapetes, colchas, almofadinhas de retalhos. Daí surgiu todo meu interesse por moda consciente, por um lifestyle verdadeiro e limpo”.

O sentido da simplicidade

“Vamos voltar para terra, minha vida não merece ser entregue a coisas efêmeras, sem sentido. Amo ser real. Amo não fingir e acho que, dessa forma, nunca serei esquecida pelo meus queridos e nem vou me esquecer de quem realmente sou. Afinal, a vida com essa consciência aqui é uma só”.

Menos tendência, mais amor próprio

“Acho que a primeira coisa é se entender como pessoa. O que gosto, o que não gosto, o que me deixa confortável e jamais me vestir para agradar os outros. Um detalhe importante é a personalidade e não a tendência (essa tal tendência tem que se adaptar a você e não o contrário) se não caiu bem, não use”.

Produzindo essências

“Em minha produção de roupas, primeiramente, busco transmitir a essência. Geralmente, quando faço uma coleção, crio temas – às vezes um tanto polêmicos ou questionadores – e tento trazer essa discussão para o público, através da minha roupa. Quando faço sob medida, busco a essência da pessoa, entendendo desde como ela é até o que ela espera. O cliente dita o que quer e eu trago soluções para o que ele precisa”.

Conheça Milleide Lopes

Casulo Moda Coletiva: Segunda à sexta, das 10h às 16h (ou horário marcado)

Loja

www.casulomodacoletiva.com

Marca

www.novelomoda.tumblr.com

Sob medida

[email protected]

Fone: 62 9 9384-4046

Comentários