Trombofilia na gravidez: como evitar esse sério risco de aborto, com o Ginecologista e Obstetra Corival Castro

A trombofilia é uma condição de hipercoagulabilidade sanguínea. É como se o sangue se tornasse mais espesso, mais grosso. A trombofilia na gravidez representa sério risco de abortos repetitivos. Além de riscos acentuados de problemas no desenvolvimento do bebê e até de morte materna durante e no pós-parto.

Ginecologista Obstetra Goiânia Corival Castro

Dr. Corival Castro – Ginecologista e Obstetra – CRM – GO 4786

O ginecologista e obstetra Corival Castro tem uma longa trajetória de estudos em Reprodução Humana. O doutor Corival nos fala sobre como evitar abortos e como manter uma gravidez, mesmo na presença dos perigosos trombos.

Trombofilia na gravidez

Aurélia Guilherme – Por que o sangue engrossa e forma trombos?

Dr. Corival Castro – O sangue circula pelo nosso organismo na forma líquida que todos conhecem. Um complexo mecanismo regula esse estado. Assim o sangue permanece líquido na maior parte do tempo, mas também pode coagular e estancar sangramentos. Isso em casos de um corte na pele ou de um sangramento de uma úlcera no estômago, por exemplo.

Visite o perfil do ginecologista Corival Castro e leia mais sobre fertilização:

 

Trombofilia na gravidez

As trombofilias estão associadas a uma maior morbimortalidade materno-fetal

Aurélia Guilherme – Portadoras de trombofilia têm maiores dificuldades de engravidar?

Dr. Corival Castro – Sim. As portadoras de trombofilias têm maior dificuldade de implantação da gravidez e aumento nas taxas de abortos.

Aurélia Guilherme – Há tipos diferentes de Trombofilia?

Dr. Corival Castro – Há sim. Existem trombofilias hereditárias e adquiridas, cada uma destas apresentam múltiplos subgrupos.

Aurélia Guilherme – Há algum sintoma ou sinal indicativo de uma hipercoagulação?

Dr. Corival Castro – É importante a população saber o seguinte. Mulheres que apresentaram um episódio na vida de trombose profunda, de qualquer tipo, seja venosa ou arterial, precisar estar atentas. Elas podem ser portadoras de algum tipo de trombofilia. Assim como aquelas mulheres que têm algum parente com história de trombose.

Aurélia Guilherme – Quais os riscos da trombofilia na gravidez?

Dr. Corival Castro – A trombofilia na gravidez está associadas a uma maior morbimortalidade materno-fetal. Podem causar abortamentos de repetição, insuficiência placentária levando ao crescimento fetal retardado. Também causam sofrimento e óbito fetal, doença hipertensiva da gravidez e aumento do risco de tromboembolismo materno, dentre outras.

Aurélia Guilherme – Existe algum exame preventivo? Um exame que investigue as tendências de trombofilia e, que possa ser feito, quando se decide por uma gravidez?

Dr. Corival Castro – Boa pergunta! Não está indicada, atualmente, a realização de exames de trombofilia na população em geral quando se decide por uma gravidez. Os estudos clínicos ainda não comprovaram a validade, o custo-benefício, nem quais exames especificamente seriam úteis num rastreamento populacional.

Aurélia Guilherme – Quando a mulher engravida, o exame de averiguação do problema está entre os exames obrigatórios?

Dr. Corival Castro – Não. A realização de exames preventivos em relação a trombofilias não tem respaldo científico que os justifique. Nem antes nem no começo de uma gravidez normal em população sem fatores de risco.

Trombofilia na gravidez

A formação de trombos no organismo é um fenômeno que ocorre o tempo todo, fisiologicamente

Aurélia Guilherme – Qual o exame que verifica se os trombos estão se formando?

Dr. Corival Castro – Em geral, os trombos se formam de forma aguda, episódica. Os exames existem apenas para diagnóstico em casos clínicos de suspeita de tromboembolismo vascular. Não são indicados de forma preventiva. A formação de trombos no organismo é um fenômeno que ocorre o tempo todo, fisiologicamente. As pessoas sadias em geral não precisam se alarmar com a possibilidade de formação deles. Se a pessoa tem doença relacionada a um problema de coagulação do sangue, caberá ao médico o diagnóstico. E, claro, o tratamento adequado para cada caso.

Aurélia Guilherme – E se os trombos não se dissolverem, há como controlá-los?

Dr. Corival Castro – Sim, em casos de qualquer doença relacionada a algum tipo de trombose há, sim, como trata-la.

Aurélia Guilherme – Em casos de trombofilia na gravidez, é indicado uso de medicamento? O anticoagulante não faz mal para o bebê?

Dr. Corival Castro – Nem toda grávida com trombofilia necessita de tratamento. Cada caso tem que ser avaliado pelo obstetra e, eventualmente, pelo hematologista ou angiologista. Existem anticoagulantes que podem ser utilizados com segurança durante a gravidez.

Leia também:

• Fertilização in vitro

• Infertilidade e endometriose

• Dificuldades para engravidar – Coito programado e inseminação artificial

• Endometriose – A correta abordagem e tratamento do problema

• Ovários policísticos

Aurélia Guilherme – Esse medicamento é auto aplicável?

Dr. Corival Castro – Os anticoagulantes seguros na gravidez são a heparina e suas variantes de baixo peso molecular. São aplicados via subcutânea e isso pode ser feito pela própria paciente, como os diabéticos fazem com a insulina.

Aurélia Guilherme – Mesmo com todos esses cuidados, há riscos de aparecerem trombos na placenta?

Dr. Corival Castro – Em paciente portadoras de trombofilia  pode ocorrer trombose e infartos placentários.

Aurélia Guilherme – E, o que pode acontecer, quando a gestante não recebe tratamento adequado?

Dr. Corival Castro – A formação de trombos na placenta pode levar à uma dificuldade da chegada de sangue ao feto; isso pode causar diminuição de sua oxigenação e nutrição. Consequentemente, pode haver retardo do crescimento fetal, sofrimento fetal por falta de oxigênio, óbito fetal, doença hipertensiva da gravidez. E até desencadear um parto prematuro e abortos.

Aurélia Guilherme – O uso de anticoncepcionais em tempo prolongado pode ser um dos motivos da trombofilia?

Dr. Corival Castro – É muito importante saber que trombose e trombofilia são coisas diferentes. O uso de anticoncepcionais não causam trombofilias, mas podem aumentar o risco de trombose nas usuárias. Este risco é pequeno na população, em torno de 0,6 para cada 1.000 habitantes. Mas pode ser aumentado em três a seis vezes nas usuárias de pílulas.

Aurélia Guilherme – Grávidas que fazem viagens mais longas passam a estar em um grupo de risco?

Dr. Corival Castro – Neste caso, há um risco um pouco maior de trombose associada a viagens longas. Então, gravidez é um fator de risco para trombose. Trombofilia é outro fator de risco e uma viagem longa é mais outro fator. Todos esses fatores, quando associados, representam maior risco.

Aurélia Guilherme – Episódios anteriores de trombose, antes da gestação, podem se repetir durante os nove meses de gravidez?

Dr. Corival Castro – Sim. Episódios anteriores de trombose são fatores de risco para que ocorra novamente durante a gravidez. São um alerta para se suspeitar de trombofilia, como doença causadora.

Aurélia Guilherme – Por que o risco de abortos de repetição é tão alto?

Dr. Corival Castro – O que se sabe é que as trombofilias estão associadas a abortos de repetição. Os motivos ainda não são claros. Mas certamente estão relacionados ao desenvolvimento inicial da placenta.

trombofilia gestação tratamento

A trombofilia na gravidez está associada a abortos de repetição bem como a partos prematuros

Aurélia Guilherme – O bebê pode ser prematuro, por essa condição?

Dr. Corival Castro – A prematuridade pode ocorrer pela própria trombofilia em si. Mas também pode decorrer das outras patologias associadas, como a insuficiência placentária, e do sofrimento fetal.

Aurélia Guilherme – E quanto ao risco de pré-eclâmpsia em casos de mulheres que sofrem de trombofilia na gravidez?

Dr. Corival Castro – Em relação à pré-eclâmpsia, as portadoras de trombofilias tem que ser conduzidas com medidas preventivas no pré-natal. Isso se deve tanto para tentar evitar como para amenizar o problema ao diagnosticá-lo precocemente.

Aurélia Guilherme – Qualquer pessoa pode se tornar trombofílica durante a gravidez?

Dr. Corival Castro – Não, as trombofilias já existem antes da gravidez.

Aurélia Guilherme – Gestação de gêmeos pode piorar o quadro?

Dr. Corival Castro – Sempre há esse risco. Uma gestação gemelar, por si só, já é um fator de risco para qualquer gravidez. Então pode agravar ou aumentar muito as chances de complicações nas portadoras de trombofilia. É uma associação de risco elevado.

Aurélia Guilherme – As mulheres atuais adiam o quanto podem a decisão de uma gestação. Gravidez tardia pode ser um risco para a trombofilia?

Dr. Corival Castro –A idade avançada não tem relação com trombofilia.  A  trombofilia é um fator de risco para qualquer gravidez, assim como é a idade avançada.

#boavida #boavidaonline #blogdaaurelia #gravidez #dorivalcastro #trombofilianagravidez #trombos #preeclampsia #trombofilia #partoprematuro #abortosrecorrentes

“Pacientes que sofreram abortos de repetição, com história de mortes fetais inexplicadas e graves complicações em gestações ganham uma esperança. Elas sempre ouviram, como resposta, que não há nada o que fazer! Agora já sabem que existem as trombofilias. E sabem que elas podem ser investigadas e tratadas.”

Trombofilia na gestação

A formação de trombos na placenta pode levar à uma dificuldade da chegada de sangue ao feto

 

Comentários